segunda-feira, 26 de junho de 2017

A Cursada do 5to ano de Medicina da UNLaR

Enfim o quinto ano de medicina! Que seria o último ano de curso teórico.
O quinto ano é integrado por 12 matérias.
Na primeira metade do ano se cursa
-Clinica Traumatológica
-Saúde Publica 5
e uma matéria -Eletiva. No caso eu escolhi cursar duas.
-Medicina da Dor 
-Genética
Na segunda metade do ano se cursa
alem de outra matéria eletiva, as seguintes...
-Clinica Otorrinolaringológica
-Clinica Urológica
-Farmacologia Clinica
-Medicina Legal e Toxicológica
Pra fechar existem as matérias anuais.
-Clinica Medica 2 (também chamada de Medicina Interna)
-Clinica Cirúrgica 1
-Clinica Pediátrica
-Clinica Obstétrica e Perinatológica.

Saúde 5 e Legal eu editei porque cursei ano passado as outras não pude cursar por estar livre em Clínica Médica 1.
O esquema de grade horário da primeira metade do ano que tive \/

Então vou passar minha visão pessoal sobre as matérias.
Traumato
Essa matéria somente possui um teórico semanalmente, a verdade foi que não gostei muito dela pois é teórica demais, zero praticas, por exemplo gesso, vemos as classificações sabemos exatamente como é como fazer, mas nada de por a mão na massa só o livro, então foi frustrante, quando fui ao Brasil pude ver que muitos estudantes poem a mão na massa, na unlar não é assim, senti que ficou devendo quanto a parte pratica,
O Dr. Parada é o titular e os teóricos são tranquilos, fora ele tem o Dr. Zuzunaga, esse tem que estar atento, grande profissional os teóricos são muito claros, é encantador o seu sotaque peruano (primeiro professor não argentino que tive na carreira) as aulas são muito boas, objetivas e recheadas de informação, sempre atento as dúvidas, o aluno só tem que estar atento e estar no hospital na hora exata pois esse professor é extremamente pontual, quem chega atrasado fica pra fora do anfiteatro!

Saúde 5
Essa matéria cursei no ano passado, não tem muito oque comentar, já que temos Saúde publica desde o primeiro ano de medicina.

Eletivas
Vou falar das que cursei.
Med Dolor
Quem comanda é a Dra. Pascale, é outra profissional que faz questão que se este pontualmente no horário senão ela da uma bronca grande no aluno que chega no teórico depois que começou a aula. Sempre explica bem a aula com muito enfoque na neurologia sua especialidade. Primeiro ela faz um repasso em neuro anatomia e fisiologia pra depois mergulhar na clinica da dor, ela interatua bastante com a turma e faz perguntas durante a aula, se o pessoal não responde ela tende a ficar brava. no final do curso ela realiza uma avaliação bem rigorosa, pelo menos assim foi no meu ano, em geral o pessoal cola e vai bem. Eu que não colei me dei mal, tirei uma nota baixa, um 6, foi frustrante.

Genética
As aulas são ministradas pela Dra. Carrizo, excelente profissional, pediatra e diretora da área de neonatologia do principal hospital infantil de La Rioja. na verdade ela enfoca somente na parte de doenças da genética e não vai a fundo nessa disciplina, então vemos basicamente as enfermidades distribuídas no gráfico ao lado.
Pra obter a Promoção ela permite que alunos se agrupem em 2 ou 3 pessoas e escolham um tema pra realizar monografia, por exemplo eu escolhi o tema do Misoprostol, remédio que é usado ilegalmente para induzir o aborto, só que quando não funciona ele produz o Síndrome de Moebius, afetação cada vez mais frequente nas unidades de neonatologia de países onde o aborto é ilegal. No caso o Misoprostol se enquadra dentro do que seriam alterações teratogênicas.

Quanto as matérias anuais.
Med Interna
Seria a principal matéria do quinto ano. mas diria que rivaliza a atenção com obstetrícia hehe Já vão ver quando chegue no tema de obst...
Tem dois teóricos semanais com vários professores dando aula, o Titular é o Dr Molina, eles exigem que se saibam todos os temas do programa para as avaliações, a catedra se baseia no famoso Harrison, livro que creio eu é o principal e mais difundido em medicina interna do mundo. Então quem já viu o harrison sabe o monstrinho que ele é, são dois volumes e deve ter mais conteúdo que a bíblia ou a trilogia do anel do Tolkien. É larguíssimo. Custa uma fortuna. (mesmo fotocopiado) E demanda muito tempo de leitura.
Bom os teóricos... eu pessoal e sinceramente acho que são ruins. Porque os médicos/professores não tem vocação de ensinar, eles leem o powerpoint para os alunos, isso quando não vomitam a matéria passando os slides rapidamente. A realidade da Argentina é a seguinte, os professores (todos) são infelizes e  vivem em guerra com o governo, esse ano houve alguns dias sem aula por greve geral de professores no país (geral mesmo, tudo parado) e então os professores do curso de medicina (que em geral não se involucram nas greves) seguiam o sindicato e não ditavam as aulas, isso aconteceu bastante com Interna. Lembrando que minha universidade é publica, acredito que isso não aconteça em universidades particulares. Pois bem... Os professores não recuperavam as aulas então em maio e junho os conteúdos foram praticamente vomitados para os alunos, coisa que me desapontou, pior que o aluno é obrigado a ir nas aulas, eu não iria e preferiria ficar em casa lendo o Harrison e estudando de outras fontes. Porem todos os temas foram ditados... Na primeira parte do ano vemos tudo que é Respiratório, Cardíaco, Digestivo e Renal.
Quanto as praticas, eu tenho com o Dr. Somerville, ele é oncologista e o professor titular de medicina interna da Barceló, faculdade privada com curso de medicina de La Rioja, é um cara que sabe muito de medicina. Os práticos são ministrados em uma clinica particular e nos juntamos pra discutir casos.
Parece Dr. House... Ficamos sentados e o professor vai passando os casos clínicos e extraindo exaustivamente nossa capacidade de raciocinar, com perguntas, exames, até encontrar o diagnóstico, Como ele domina muito bem a medicina interna ele trás uns casos bem difíceis e dificulta bastante o raciocínio sempre nos dando contra respostas a nossas tentativas diagnósticas e fazendo com que exploremos tuuudo todas as hipóteses, todos os exames, todos os diagnósticos diferenciais.
Quem não participa ele força a interagir. Como temos com ele as praticas são somente uma por semana e ele não liga para faltas, ele quer somente alunos interessados e comprometidos, é realmente muito enriquecedor para o aprendizado ter o pratico. Os professores médicos tem bastante liberdade para ensinar os alunos como bem entendem, alguns dão 2 práticos por semana, ou tem de outra forma suas aulas, eu passei pra vocês a visão minha mas é bem heterogênea essa parte de praticas de med interna.
ps. Não foi nem 1 nem 2 amigos que cursam a barceló que acompanham o blog que vieram me criticar falando que o Dr. Somerville é um professor ruim, na mesma moeda os amigos que cursam a unlar com quem falei até então o elogiam, fica o meu ponto de vista pessoal de que sim ele é bom professor e sabe muito.

Cirurgia
Essa matéria possui teóricos quinzenais e os alunos não são obrigados a ir. Se olharem a grade horaria, vão ver que os teóricos em geral começam tarde, essa matéria é a unica que tem aulas as 8h da manhã, então isso colabora muito para os alunos não irem, veja bem agora é pleno inverno e levantar cedão, sair da cama e ir para o hospital com temperaturas baixíssimas isso quando não faz temperatura negativa... Tem que ter muita força de vontade viu... Alem de que o aluno tem que ir com um alto nível de atenção e vontade de aprender, pois os teóricos são duplos! (Eu sempre levo chimarrão pra dar uma estimulada e aquecer.) Começam as 8h e pouco e terminam la pras 13h. São dois professores, o primeiro é com o Dr. Mercado Luna médico famoso daqui de La Rioja e posteriormente com o Dr. Pizarro o titular da catedra que viaja pra cá e também é titular da catedra de cirurgia da universidade nacional de Córdoba. Eu sou apaixonado pela aula dos dois, tudo que critico de interna é totalmente diferente com cirurgia, as aulas do Dr Mercado Luna são recheadas de informação e ele ao invés de ler realmente explica a matéria, sabe passar o conteúdo. E depois com Dr. Pizarro ele já é bem velho, tem muita experiencia e sempre enfoca muito na anatomia sempre trazendo historias de suas experiencias que enriquecem ainda mais a aula.
Quanto as praticas tenho no principal hospital público da cidade com o Dr. Gaspanello, ele sempre chega atrasado e já ocorreu mais de uma vez dele não vir dar o pratico porque é a hora do cochilo do seu plantão ou está em uma cirurgia. Quando é assim ele manda o recado por meio de algum cirurgião residente subordinado dele pra fazermos as histórias clinicas dos pacientes do setor de cirurgia. Isso ocorreu bastante nos primeiros práticos, coisa que nós alunos nos unimos e reclamamos e então não ocorreu mais até então. Alguns práticos o Dr vem beem sonolento em outros quando ele sai da reunião com os residentes ele vem cuspindo fogo porque em geral houve algum problema e como são seus subordinados ele tem que resolver, mas se nota que ele ama oque faz porque quando ele começa a nos fazer perguntas e vamos respondendo satisfatoriamente, eu sinto que ele se relaxa com nós e se diverte. Alem dele saber muita coisa a respeito da medicina cirúrgica. A Comissão tem uma qualidade curiosa é bem heterogênea, tem eu do Brasil que sou beem ativo e sempre me atrevo a responder as perguntas, o professor me chama de "San Paulo" porque sou paulista. Além de mim há alunos do Chile, o Santi do Equador, e a Leyanet da Venezuela. Fora os argentinos que tem do norte, da pampa, do centro e da patagônia. Sempre vamos discutindo diferentes pontos de vista sobre tudo e eu gosto bastante. O professor gosta de ensinar fazendo perguntas coisa que exige que nos presentemos com o tema estudado. Em geral quando um aluno responde ele vai a outro e pergunta oque ele acha, e vai colocando as opiniões dos alunos em oposição, como eu sou sem vergonha sempre respondo e em geral sempre quebro a cara. O professor explora o fato da comissão ter muita diversidade de gente de diferentes lados e aplica isso com perguntas de epidemiologia, por exemplo no Brasil e no Chile é frequente o megacólon chagásico enquanto que na Argentina é mais frequente a Cardiomegalia. Ou outro exemplo, ele gosta de tocar em temas polêmicos, oque fazer em cirurgias com testemunhas de jeová, que não permitem a transfusão de sangue? Se é programada tem que extrair o sangue da pessoa previamente pois ela pode receber transfusão de seu próprio sangue que é parte de sua alma (segundo sua crença e as palavras do profe). Que a maioria dos ginecologistas mandam as mulheres com suspeita de abdômen agudo/apendicite para os cirurgiões resolverem. Que se temos uma suspeita de apendicite que leve a uma cirurgia exploratória, e vemos que não está inflamado, tiramos o apêndice ou deixamos ele intacto? Na argentina se tira, pois se a pessoa tem a cicatriz por convenção os médicos entendem que ela realizou uma apendicectomia. (alguém que manje de cirurgia pode me dizer nos comentários se vale o mesmo essa convenção no Brasil?). Casos de apendicectomia preventiva... (pessoas que viajam ao espaço ou antártica). Como atuar com pacientes que se negam a fazer exames, que se negam a fazer cirurgias, que técnica realizar em certos tipos de cistos e como avaliar sua evolução por meio de exames de imagem, que antibióticos atuam melhor em diferentes casos, como estão fixadas as vísceras e por onde melhor intervir numa cirurgia e etc.

Pediatria
Com os teóricos todas as terças é uma matéria tranquila, existe uma relação de amor e ódio com os alunos onde eu não sei onde me enquadrar, porque em pediatria tudo é diferente, sabe?
De um lado você tem a parte desagradável, saber de memória muitas coisas, o corpo nas primeiras fases da vida está baixo constante mudança então temos que saber de cor e salteado absolutamente tudo de especial que levam esses seres miudinhos, a primeira parte do curso vemos uma criança sã pra depois ver as enfermidades, por exemplo em um bebê, o perímetro cefálico, saber todos os valores em diferentes meses, como abordar e realizar uma semiografia correta nas fases de desenvolvimento normal por semanas e meses... Ou seja o motor fino, grosso, linguagem, sociabilidade, reflexos, o IMC que é diferente, cálculos para desnutrição, os famosos percentiles, são muitos valores, muitas formulas matemáticas de conversão a saber, muitos detalhes, com tantos anos de estudo nos acostumamos mal ao corpo de um ser humano adulto e fazer as conversões, saber o velho tema das vacinas, que são trocentas, como estão compostas, se é vírus atenuado, bactéria, compostos artificiais, toxinas modificadas, doses, vias, meses, idades, é de deixar qualquer estudante maluquinho.
Some se a isso os teóricos, são largos e a professora titular (Dra. Frack) sabe muito mas quando ela fala ao microfone em geral ela grita e a voz fina dela me da dor de cabeça, junte isso a valores a saber sem fim, lições de moral longas, e tens a receita do ódio universitário contra essa matéria tão linda.
Na contramão disso tudo nas praticas você tem o contato com crianças e em geral com suas mães preocupadíssimas, então sempre realizamos a semiografia completa, como é época invernal as guardias (plantões) explodem com crianças com problemas respiratórios, não falta criança pra praticar! E eu me sinto realizado nas praticas. A professora sempre com muita paciência explica o passo a passo de tudo.

Obst
É de longe a catedra mais organizada do quinto ano de medicina. Obstetrícia é uma matéria anual porem os professores dividem ela em duas, ou seja os alunos que tem sobrenome inicial de letras A a M realizam a cursada no primeiro semestre e os que tem de N até Z realizam no segundo semestre, os professores preferem assim pra diminuir o numero de alunos que é alto por turma (devemos ser por volta de 150 alunos em obst) e garantir que todos realizem todas as atividades plenamente.
O titular da catedra também é o mesmo da Universidade Nacional de Córdoba. Dr. Bolatti e vem somente algumas vezes no semestre dar aulas e quase sempre pra tomar os exames finais. Já é um especialista bem vivido e com muitas experiencias, parece um gravadorzinho falando as aulas, automaticamente tudo, sabe muito. Além dele tem o Dr. Tissera que não é o titular mas é quem realmente comanda as coisas aqui em La Rioja e é o diretor de Obstetrícia do Hospital da Madre y del Niño onde realizamos grande parte das praticas, é o principal hospital da província absorvendo a maioria esmagadora dos partos complicados e abrangendo área de influencia em províncias vizinhas.
Os teóricos com o Dr. Tissera são os mais tensos por sua personalidade forte, todos os teóricos seguem as aulas que Dr. Bolatti editou com base na bibliografia do Livro de obstetrícia Uruguaio Schwartz. Todos os professores que dão aula seja Dr.Serra, (o mesmo que me tomou final de ginecologia) Dr. Monges. Dra. Farias dão os teóricos editados previamente pelo Dr. Bolatti que estão nesse site. O único que escapa a regra e o Dr. Tissera suas aulas igualmente não deixam nada a desejar em conteúdo, ele só não admite que os alunos durmam, se ele nota que o aluno esta meio idiota ele convida a se retirar e lavar o rosto. Demanda sempre muita atenção e vai circulando pelo anfiteatro e falando falando, quando de repente ele se vira a queima roupa e faz uma pergunta sobre o tema que está a explicar, quase ninguém escapa. A mim em uma aula ele me perguntou quais são as medidas do útero, coisa que aprendemos lá no primeiro ano, outra aula ele me fez pensar rápido fazendo eu fazer cálculos mentais de uma mulher com 15 semanas de gestação, quantos meses ela tem? E qual é a data provável de parto segundo data de ultima menstruação x? Porque a gestação se calcula na medicina por semanas, ciclos lunares, diferente dos meses solares que nos manejamos no dia a dia. E sempre ele agarra alguém avulso sentado no anfiteatro não importa se esta sentado atrás, oque causa um certo terror, nem na aula podemos relaxar direito com medo a passar vergonha publicamente. nas quartas feiras que não tem aula de cirurgia tem aula de obstetrícia, portanto temos em uma semana dois teóricos, em outra 3 e assim vai rotando.
Quanto as praticas eu tive com a Dra Farias em um centro básico de saúde, postinho, acompanhamos as grávidas, sua história, antecedentes, exames de laboratório, medida de altura uterina, acompanhamos os batidos fetais seja com aparatos modernos ou a moda antiga com estetoscópio de Pinard, acompanhamos as Ecografias, como somos poucos alunos botamos realmente a mão na massa e é sem dúvidas sensacional. Como é posto não somente vemos grávidas e vemos também pacientes ginecológicas então acaba mesclando com ginecologia, fazendo papa nicolau, tive oportunidade de ver doenças sexualmente transmissíveis como hiv, sífilis e etc. Algumas pacientes se mostram envergonhadas e negam consulta então alguns alunos tem que sair, outras permitem então acompanhados da Dra. vemos tudo. Não tenho nem oque falar da Dra. Farias a não ser rasgar elogios a tremenda profissional que ela é, minha professora favorita e exemplo do profissional que eu quero ser, seja no tratamento humano com os pacientes sempre solicita e explicando tudo não deixa passar um detalhe sequer como médica, além de excelente docente. Mais orgulho me dá pelo fato que é formada na UNLaR.
Fora as praticas temos as Guardias, ou plantões no hospital, são somente três onde passamos por um período largo de horas no hospital dentro do centro obstétrico trajados acompanhando as mães em trabalho de parto, seja normal seja cesárea onde acompanhamos a cirurgia in loco e os médicos vão nos explicando.
Um dia de plantão de Obst com os compas
O Plantão que te toca você deve ir, não interessa se é em um domingo ou em um feriado especial. Então vamos acompanhando as futuras mães realizando manobras de Leopold, fazendo perguntas, controlando contrações uterinas, com histórias clinicas, ou vendo os médicos atuarem quando se complicam as coisas.

Depois de ler tudo se tem a impressão que é corrido, e de fato é, tem que estudar bastante, mas nem se compara com a loucura que é o quarto ano de medicina. No quinto só o fato de não ter aulas cedo demais já ajuda muito no fator descanso e sono, a organização das catedras  e maior compreensão dos professores com alunos e entre eles mesmos (principalmente com o choque de horários) como um todo ajuda também, no quarto as catedras são um pouco caóticas inventando aulas surpresa do nada sem um cronograma pré estabelecido e obedecido a risca. Sem dúvidas o quinto ano, se o aluno faz sua parte e estuda com atenção, ele cursa, aprende muito e creio que aprova sem maiores transtornos.
Vamos que vamos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário